InVersos: António Carlos Santos – Há tempo de choro, chora-se

Há choro…
na porta dos olhos,
na dor e no nada,
na fornalha do tempo,
no tempo extenso
e na extensão das sombras.

Chora-se…
os pesadelos,
as madrugadas intermináveis,
o veneno que se prova,
o silêncio que nos habita
e a solidão que nos consome
em tempo.

Há choro…
nas paredes ancoradas,
nas páginas que se apagam,
na fornalha do tempo,
no tempo das noites frias
e no frio que nos mata.

Chora-se…
nos enganos,
nas águas revoltas,
na frieza morna,
nas palavras do silêncio,
e no silêncio da solidão
do tempo.
há tempo de choro, chora-se

Há choro…
nas cinzas e nos vendavais,
nos abismos que se carregam
na fornalha do tempo,
no tempo parado
e na paragem dos pedaços da vida.

Chora-se!
As lágrimas que não se escorrem
quando se acaba nas sobras do tempo.
E há choro
no tempo que começa e acaba
e no fim da estrada.

António Carlos Santos

Lido e produzido por Rui Diniz

Efeitos Sonoros:
bosk1
de freesound.org

Música:
Mogilalia – “My Old Black Radio”
Magnatune.com
Creative Commons License

Anúncios