InVersos: Fernando Campos de Castro – Regresso


Eu hei-de voltar aqui em horas serenas
Mas não como pessoa… estou cansado
Como ave talvez, sim, sem estas penas
para voar os voos que hei sonhado

E hei-de correr nu nos campos verdes
E beberei no rio da distância
para matar a fome destas sedes
que me queimam a alma desde a infância

Depois eu abrirei as minhas asas
e pedirei à noite que me aceite
Quando pairar sereno sobre as casas
que não têm lugar onde me deite

No ombro dum penhasco farei ninho
e voarei depois em céu aberto
Tão bêbado de luz, tão louco e tão sozinho….
Finalmente feliz e enfim liberto

Fernando Campos de Castro

Anúncios