InVersos: Maria da Fonte – A mão que te estendi


Levas tanta pressa nos olhos
e tanta ausência nos gestos.

Recusas soletrar as coisas a que pertences,
hipotecas aquilo que te dão.

E porque a noite chegou,
julgas saber o caminho de regresso.

A que distância dos olhos deixaste o coração?

Maria da Fonte

Anúncios

InVersos: Maria da Fonte – Fragmentos


Daqui, deste mar, eu vejo a vida
até onde o olhar não pode mais.
Acerto o passo ao ritmo das ondas,
de vaga em vaga, vou divisando o cais.
E neste navegar ergo palavras,
levanto o reino de um tempo já perdido,
pressinto por trás das vagas outras vagas,
paro inerte neste sigo, não sigo.

E ainda que na moldura desse olhar,
eu dispa cada onda no regresso,
retalhe o meu corpo devagar,
entrando lentamente em cada verso.

Maria da Fonte

InVersos: Maria da Fonte – Despotismo

Esta morte sem rosto
que me espera, esta vida
já mais que embaciada,
esta falta de sorte (quem me dera!)
de ser mais que o vazio, ser o nada.

Esta esfinge roçada pelo medo,
esta bravura de matar
quem já morreu, este mundo
redondo onde me enrolo,
na incerteza sequer de que fui eu.

Esta intriga fechada,
deprimente, esta tela descorada
e encardida, este pintar, este dizer
omnipotente,
esta morte apagando esta vida.

Maria da Fonte