InVersos: Ricardo Reis – Quero ignorado, e calmo


Quero ignorado, e calmo
Por ignorado, e próprio
Por calmo, encher meus dias
De não querer mais deles.

Aos que a riqueza toca
O ouro irrita a pele.
Aos que a fama bafeja
Embacia-se a vida.

Aos que a felicidade
É sol, virá a noite.
Mas ao que nada ‘spera
Tudo que vem é grato.

Ricardo Reis

Anúncios

InVersos: Al Berto – Recado


ouve-me
que o dia te seja limpo e
a cada esquina de luz possas recolher
alimento suficiente para a tua morte

vai até onde ninguém te possa falar
ou reconhecer – vai por esse campo
de crateras extintas – vai por essa porta
de água tão vasta quanto a noite

deixa a árvore das cassiopeias cobrir-te
e as loucas aveias que o ácido enferrujou
erguerem-se na vertigem do voo – deixa
que o outono traga os pássaros e as abelhas
para pernoitarem na doçura
do teu breve coração – ouve-me

que o dia te seja limpo
e para lá da pele constrói o arco de sal
a morada eterna – o mar por onde fugirá
o etéreo visitante desta noite

não esqueças o navio carregado de lumes
de desejos em poeira – não esqueças o ouro
o marfim – os sessenta comprimidos letais
ao pequeno-almoço

al berto

InVersos: Ary dos Santos – Faca


A palavra será faca
o sentido será gume
a imagem será chama
mas a matéria é o lume.
Lume dos nervos riscados
pelo fósforo do medo
lume dos dentes cerrados
pela goma de um segredo.
Lume das faces de cera
lume dos dedos de cal
lume golpe lume pedra
lume silêncio metal.
Lume que se acende a frio
e nos devora por dentro
lume agulha lume fio
da faca do pensamento.
Uma navalha que rasga
o ventre da solidão
vingança de quem se gasta
queimando frases em vão.
Lume lembrança das coisas
que nos arderam na voz
cinza viva que nos corta
e nos separa de nós.

Ary dos Santos