InVersos: Manuel Pintor – TV te vês

quem és
no que tu vês
ventríloquo das falas do mundo
pedestal de farsas
de janelas os disfarces
alçapões de verdade
esquecida
sob mantos brancos de mentira

quase me gritas
a ânsia cega
o ócio incestuoso das vaidades
sem vislumbre de pudor
agonizante
em fátuos falsetes
hipérboles arrebatadas

quem és
da vã loucura
no ventre sangrento do mundo
que palavra sagrada
me unges decapitada
e não me ditas

quase me dizes
a hora que desfalece
e calas do embrião a semente
florescente dos tempos
que silêncio incólume
alguma vez desvanece

quase vejo
sem sequer t’ver

Manuel Pintor

Lido e produzido por Rui Diniz

Música: Margaret Maria Tobolowska – “Magik”
Magnatune.com
Efeitos Sonoros por connum e qubodup em
Freesound.org
Fotografia: Tookapic
Pexels
Creative Commons License

Anúncios

InVersos: Manuel Pintor – Por ti, amor


por ti, amor
me esqueço das horas
na memória dos dias
janelas sem noite
de uma redoma livre
em ti
incendeio o tempo
na chama que me sobrevive

por ti, amor
a esperança nasce derradeira
na tua pele
mais que sobre a minha

por ti, amor
me arvoro das límpidas raízes
na água das fontes
no húmus dos ventos
sulco meus caminhos
em ti
o monte onde grito
e ouço todo o eco de mim

por ti, amor
eu rio meu choro
atravesso medos nas horas que rumo
a mar maior que toda a dor do mundo

Manuel Pintor