InVersos: Lídia Borges – Não desistas já de mim, Poesia

Não desistas de mim, Poesia.
Deixa-te ficar aí sentada
nesse degrau da escada
onde pacientemente me esperas.

Em breve
quando se desvanecer o alvoroço
a que me dou e a quietude vier de novo
morar em mim…
Em breve, poderei receber-te com braços
De bem- querer.
Não agora.
Não agora que não estou trajada para ti.

Perdoa-me este súbito exílio
este coração fechado a tonalidades
e brilhos . Cores, magnificências…

Ainda assim, Poesia,
Não vás, ainda.
Não desistas de mim.

Lídia Borges

Lido e produzido por Rui Diniz

Música: Chris Fields – “Floating”
Magnatune.com
Creative Commons License

InVersos: Lídia Borges – E partiu de novo

Trazia viagens na mala
Mas tantas por cumprir.

Trazia terra nas mãos
Mas migalha a que abraçava em raízes.
Trazia tanta água nos olhos
Mas nenhuma lhe apagava as ausências.

Em si tanto se demoravam as esperas
que um dia, ao acordar, descobriu-se a ave
e cantou longe da voz que lhe anoitecera
a garganta.
Letra a letra rasgou o deserto que lhe secava
nas mãos.
E partiu de novo…

Lídia Borges

Lido e produzido por Rui Diniz

Música: thirty3 – “Session 1”
Magnatune.com
Creative Commons License

InVersos: Lídia Borges – As mãos vazias

As mãos vazias de temporais
de tragédias, de grandezas,
regressam da cidade
sem promessas de paz ou abundância.

Nos campos, a ondulação do pão
perdeu-se do vento e, nas casas,
portas e janelas batem
umas atrás das outras.

Tremulam borboletas de frio e sombra no silêncio
e os homens espalmam-se
contra as paredes a fumar e a navegar
azuladas ondas de fumo,
enquanto os cães vadios
devoram tudo, ao longe.

A terra posa debaixo dos pés
E a prosa, contra a mina vontade,
Ganha limos e lodos como um bote carcomido
à beira de se afundar.

Arranco da poesia
um ramo onde canta um rouxinol
e com ele faço uma jangada para atravessar
o novo dia que já la vem.

Lídia Borges

Lido e produzido por Rui Diniz

Música: Dejan Ilijic – “Abre Makedonce”
Magnatune.com
Creative Commons License

InVersos: Lídia Borges – Da sede ao cardo

Uma casa ao sol
no alto da colina.

Assim podia ser dito
setembro antes da floração
dos cardos.

A luz a rolar mansa
pelas encostas,
uma cantiga de água
aos rés do muro.
Um rebanho de sorrisos
inocentes
a pedir pastoreio.

Um certo modo
de levar à boca o poema
setembro.

Que é das sedas das tuas sílabas
Na minha língua?

Palato, infância
Mãe.

Lídia Borges

Lido e produzido por Rui Diniz

Música: Jonathan James – “The Cherry Now II”
Magnatune.com
Creative Commons License