InVersos: Filipe Raveira – Somos muitos


Somos muitos, eu só e eu comigo:
Enchemos o crepúsculo da vigília com os nossos ressentimentos
e bebemos dos cheiros dos sonhos e
fingimos que não fingimos.

Somos muitos, aqui aplanados
Num não sei quê de necessidade
Num não sei quê de imposição;
Se agora nos formos, amanhã voltaremos
de novo para longe do tempo
em que ainda era possível
ter feito alguma coisa.

Somos muitos neste jogo de cifras e criptas,
Divertimo-nos entre nós quando não nos interrompem;
Divertimo-nos,
mas hoje

hoje não é mais possível.

Filipe Raveira

Anúncios