InVersos: Quim Barreiros – O melhor dia para casar

Seja viúva ou solteira
Ou até divorciado
Casar é palavra de ordem
Quando se encontra o bem amado.

Seja velho seja novo
Não há idade para amar
E quando isso acontece
Todos pensam em casar

Contra a vontade dos Pais
Ou com o seu consentimento
Os noivos sonham com o dia,
O dia do casamento.

Um pormenor importante
Que é preciso respeitar
Combinar com a família
O melhor dia p’ra casar.

Qual é o melhor dia para casar
Sem sofrer nenhum desgosto
O trinta e um de Julho,
Porque depois entra Agosto.

Quim Barreiros

Lido e produzido por Rui Diniz

Música:
Hans Christian – “Soften your heart”
Magnatune.com
Creative Commons License

Anúncios

InVersos: Manuel Veiga – Poema Quase-Nada

Despenha-se o poeta no vórtice
Qual sarça onde a palavra nasce
E reina. E arde labareda
Feita carne. E lume.

E o olhar rodopia.
Cascata de fogo
E água.

Agora é chama. Que reclama.
E se evapora na distância.
E na ausência-presença
Que se cuida. E guarda.

Poema
Que sendo quase-nada
Se declina. E se proclama
Sinfonia.

Manuel Veiga

Lido e produzido por Rui Diniz

Música:
Ray Montford – “May it begin”
Magnatune.com
Creative Commons License

InVersos: Maria Oliveira – Viagem sem regresso

Abandono os céus sob os quais a espécie humana
Se desflora a si mesma
Onde os mundos da agonia se cruzam
Se enforcam se abusam
Deixo sem vontade de comunicar com o transitório
Com o conflito o sangue o tresloucado o fantasmagórico
Levanto asas rumo à profundidade cósmica
Finalmente descanso hiberno para o invisível
Pois o estado terreno é música cortante
Gesto de amante choro de criança
Grito de mãe bofetada ciúme inveja posse azedume

O medo comprime a criação e o homem
Na guilhotina da paranoia
O sonho expande e transporta as criaturas
Cada vez mais longe para lá
Da pluralidade dos submundos estelares
Por isso não volto!
Deixei de entender a língua afiada dos homens
Corto as amarras sigo outra rota
Rumo à galáxia que não existe
Nunca se alcança
Tal como a linha do horizonte
Que falseia a perceção
Saltito então em forma de vaga-lume
Em campo aberto multicolor melodioso
E eternamente manso

Maria Oliveira

Lido e produzido por Rui Diniz

Música:
Ray Montford – “3 Am”
Magnatune.com
Creative Commons License