InVersos: António Carlos Santos – Há tempo de choro, chora-se


Há choro…
na porta dos olhos,
na dor e no nada,
na fornalha do tempo,
no tempo extenso
e na extensão das sombras.

Chora-se…
os pesadelos,
as madrugadas intermináveis,
o veneno que se prova,
o silêncio que nos habita
e a solidão que nos consome
em tempo.

Há choro…
nas paredes ancoradas,
nas páginas que se apagam,
na fornalha do tempo,
no tempo das noites frias
e no frio que nos mata.

Chora-se…
nos enganos,
nas águas revoltas,
na frieza morna,
nas palavras do silêncio,
e no silêncio da solidão
do tempo.
há tempo de choro, chora-se

Há choro…
nas cinzas e nos vendavais,
nos abismos que se carregam
na fornalha do tempo,
no tempo parado
e na paragem dos pedaços da vida.

Chora-se!
As lágrimas que não se escorrem
quando se acaba nas sobras do tempo.
E há choro
no tempo que começa e acaba
e no fim da estrada.

António Carlos Santos

Lido e produzido por Rui Diniz

Efeitos Sonoros:
bosk1
de freesound.org

Música:
Mogilalia – “My Old Black Radio”
Magnatune.com
Creative Commons License

Anúncios

One thought on “InVersos: António Carlos Santos – Há tempo de choro, chora-se

  1. Nair Rezende diz:

    Lindo poema apesar de triste. Trises verdades são ditas em um jogo de palavras encantadoras!

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s