InVersos: Eugénio de Andrade – Poema para Sophia



Não sei porque floriram no meu rosto
os olhos e os versos que há em ti.
Floriram por acaso, ao sol de agosto,
sem mesmo haver agosto ou sol em mim.
Não sei porque floriram: se o orvalho os queima…
(Ponho as mãos nos olhos para os proteger!)
Tão estranho!: florirem no meu rosto
olhos e versos que não posso ver.

Eugénio de Andrade

Anúncios

One thought on “InVersos: Eugénio de Andrade – Poema para Sophia

  1. Eugénio de Andrade, merecia um trabalho assim.
    Parabéns, Miguel Rodeia e toda a equipa Inversos!

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s