InVersos: Valter Guerreiro – A Lua



Gosto da lua nos flancos da noite
Onde nem os grilos cantam
Só eu.
E ao silêncio peço que me acoite
E ao sol que não venha
Que o sonho é meu
É vasta e funda a intimidade com as azuis raízes do céu
E chovem de todos os poros os fluidos da estupefacção
E ninguém responde
E dos flancos da lua sorvo a prateada solidão das coisas
Na inalação dos detritos antigos do meu vulgar desastre
Negra de cristais de incenso e nua
É a cor deste reciclado espanto
E digo: boa noite meu amor,
Como é bonita a lua!

Valter Guerreiro

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s