InVersos: António Boieiro – Outra vez



A existência celebra-se
Em lapsos de memória
Histórias por contar
Palcos por encenar
Telas por pintar
Enquanto as suas cores
São escolhidas na paleta
De um pintor desconhecido
E agora a alma grita-te aos ouvidos
O teu corpo cambaleia e tu cais
Cais… cais… cais… Cais

Caminhas pela terra com nome de homem
Quando deverias ter nome de Deus
E agora já nada mais te diz
A não ser a tua própria sorte

E agora consomes cigarros à pressa
E tomas comprimidos cor-de-rosa
Que nem sabes para que servem

E cais outra vez sem saber porque cais

E cais novamente
só para cair novamente
sem saber por que cais
outra vez

E agora guardas tudo
Dentro de uma caixa:
A tua alma
O teu espírito
A tua vida
A tua morte

E cais outra vez sem saber porque cais

E Deus já não é da tua família
E o Diabo já não é o teu próprio Pai
E
Cais… Cais… Cais… Cais…

Outra vez.

António Boieiro

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s