InVersos: Maria Azenha – Quarta Folha – Poema V


Na parede da sala o luar fez descer a sua pequena música
em sereias e medusas no anel branco da noite.
é então que estremece,cintilante na areia,a praia nua
em seus cavalos brancos de sombras e de espuma.

e unindo uma a uma suas crinas de brancura
onde pousam abelhas de prodígio por detrás das dunas
o vento e o mar em vultos me procuram, não se cruzam.
no centro permanecem sem imagem nem colunas.

e espelhos de silêncio e ausência me recusam,
e muros de navios me reflectem e ressoam
na sala atravessada por um fio a prumo,
que corre eternamente para o fim do mundo

maria azenha

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s