InVersos: João Moutinho – Mãos



Descascaste o poema
No silêncio das mãos
Foi porcelana nos teus dedos
O barro tosco que te dei
E sei que nunca serei
O corpo…
Onde as mãos repousam
Onde as mãos ousam
Existir…

João Moutinho

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s