InVersos: Firmino Mendes – Ofício do Amor



Marcaram a festa para o dia das avelãs
o dia interior dos olhares longínquos, dos sonhos
das ligações às estrelas mais antigas
Chamara os pastores de todas as montanhas
com seus odres cheios de néctar de medronho
e amoras, com suas flautas de madeira nova
E quando chegararn os adivinhadores pelo trevo
acompanhavam o movimento dos campos
o crescimento dos lírios, os voos nocturnos
a medida da sombra

Os vendedores de nêsperas faziam previsões
sobre o tempo que faria no dia das avelãs:
-“Luz excessiva, brasas, dança de meteoritos
Cinzas de nácar sobre os rios. ”
E os amantes
escureciam as mãos com outras sombras

Na terra quente, onde se devoram minérios
No caminho mais simples
há um assombroso bailado de suor

Abre-se uma sombra contínua
para os dias mais verdes e azuis
E atravessa a desmedida

Chegamos ao mar, às colinas frescas da tarde
com algas surpreendidas pela luz

Cruzados no chão, adormecemos tarde
ao lado das cortinas

Firmino Mendes

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s